Novidades

Histórias de Liberdade.jpg

Histórias de Liberdade e Outras

O LIVRO

Histórias de Liberdade e Outras marca o regresso da autora ao conto, uma área de escrita que revisita regularmente e na qual se move com particular maestria. Neste livro, apesar de serem muitos e diversos os temas que dão forma às suas histórias, a liberdade constitui um traço comum à generalidade dos contos. Esse poder, ou essa emancipação, confere assim aos protagonistas a coragem de não resistir à urgência do amor («Correio para o Corvo»), de persistir perante as adversidades («Circum-navegar»), o direito a uma nova oportunidade («Há quanto, quanto tempo!»), de contrariar preceitos sociais («Eu não sei como te chamas») ou, no limite, a liberdade de decidir sobre a própria vida («Desengano»). Desta forma, Filomena Marona Beja alia a diversidade temática à qualidade literária e à singularidade narrativa que a distinguiram, fazendo de Histórias de Liberdade e Outras uma extraordinária obra de ficção de uma das mais originais vozes da literatura portuguesa actual.

FILOMENA MARONA BEJA

Filomena Marona Beja nasceu em Lisboa, a 9 de Junho de 1944. Depois de frequentar o Lycée Français Charles Lepierre e a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, desenvolveu a sua actividade profissional na área da documentação técnico-científica.

É autora de, entre outras obras, As Cidadãs, Betânia, A Sopa (Grande Prémio de Literatura dst), A Cova do Lagarto (Grande Prémio de Romance e Novela da APE/DGLB), Um Rasto de Alfazema, Avenida do Príncipe Perfeito e Barcas Novas Levam Guerra.

É ainda autora de vários livros de contos, tendo igualmente participado nas antologias Histórias em Língua Portuguesa, Uma Casota entre o Muro e o Limoeiro, Uma Terra Prometida: Contos de Refugiados e De la Saudade a la Magua, editado em Espanha.

COM O SEU ESTILO ÚNICO, ESTAS HISTÓRIAS ESPREITAM PELAS FENDAS DO MUNDO, MOSTRANDO-NOS GESTOS DE LIBERTAÇÃO, FÁBULAS SUBTIS E BRILHOS INESPERADOS DAS VIDAS NORMAIS.

José Mário Silva

Pensar a Utopia.jpg

Pensar a Utopia, Transformar a Realidade

O LIVRO

De crise em crise, a economia liberal parece ter conquistado a hegemonia absoluta e o capitalismo parece consolidar-se pelos quatro cantos do mundo. No seu constante movimento de acumulação, o capital conquista espaço, enquanto cresce a desigualdade global, aumentam os conflitos armados e a destruição ambiental e climática ameaça a sobrevivência da espécie humana. Pessimista por circunstância, a análise global deixa geralmente de fora muitos dos aspetos que também caracterizam este tempo. Sob o olhar da antropologia, esta obra dá a conhecer processos, projetos e experiências que resistem a esta hegemonia e que transportam consigo a força emancipadora das utopias reinventadas com os instrumentos da atualidade.

Resultado do trabalho de campo realizado na cidade do Porto e nos Altos Pirenéus de Aragão, Pensar a Utopia, Transformar a Realidade é o testemunho de que é na disputa desses mundos que se podem encontrar as práticas de rebeldia e da imaginação – poderosos sinais para a esperança tornada concreta.

JOÃO CARLOS LOUÇÃ

Antropólogo e investigador no Instituto de História Contemporânea (FCSH/UNL). Como investigador, estudou a relação entre o trabalho forçado nas colónias africanas e a revolução portuguesa, que esteve na base de “African Forced Labour and Anti-colonial Struggles in the Portuguese Revolution”, e as condições de trabalho e resistência nas centrais de atendimento, que deu origem ao livro Call Centers: Trabalho, Dominação, Resistências. Colaborou igualmente na obra Entre Outubro e Abril – Estudos sobre Trabalho, Revoluções e Movimentos Sociais no Século XX com o capítulo “A utopia concreta de Gonçalves Correia: percurso e contexto de um anarquista alentejano singular”).

Lisboa Judaica.jpg

O LIVRO

Segregação. Perseguição. Integração. É em torno destas três palavras que se construiu a história dos judeus em Portugal e em Lisboa. Uma história feita de momentos muito diversos e de acontecimentos bastante desconformes, desde as épocas de dor e angústia, até aos dias de solidariedade e de celebração.

Neste livro iremos narrar essas histórias em três grandes épocas: a Idade Média, a Época Moderna e a Contemporaneidade. Iremos percorrer os locais mais marcantes, referir os acontecimentos mais importantes, falar de homens e de mulheres que nesta cidade viveram, sobreviveram, prosperaram ou pereceram.

Lisboa Judaica conta uma história feita de gentes, de testemunhos, de património e de regras. Uma longa história que vem até aos nossos dias – e que pode ser também um alerta contra a intolerância. Uma história muito nossa, afinal.

SÉRGIO LUÍS DE CARVALHO

Sérgio Luís de Carvalho (Lisboa, 1959) é licenciado e mestre em História. É autor de várias dezenas de títulos no âmbito da ficção histórica, da investigação histórica e da literatura histórica infantojuvenil. O presente título é a sua obra mais recente, fruto de vários anos de investigação.

Alguns dos seus livros de ficção estão traduzidos em França, Itália e Espanha (em galego e castelhano). Nos Estados Unidos, foi recentemente publicada uma sua História de Portugal para crianças, sendo a primeira vez que uma obra deste teor é traduzida para inglês.

Foi galardoado com o Prémio Ferreira de Castro, tendo sido ainda finalista do Prémio Jean Monnet e do Prémio Amphi, ambos de França.

Além de autor, é docente de História.

UM ROTEIRO DE GENTES, DE DOR E DE RESISTÊNCIA, DE PATRIMÓNIO, DE LUZES E DE PENUMBRA, QUE AJUDARAM A CONSTRUIR A CAPITAL DO NOSSO PAÍS. ESTA É A HISTÓRIA DOS JUDEUS EM LISBOA, DESDE A IDADE MÉDIA ATÉ AOS NOSSOS DIAS, PASSANDO PELO TEMPO DOS DESCOBRIMENTOS

Lisboa Judaica

Os nossos livros

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom